NOTÍCIAS

FIQUE POR DENTRO DO MUNDO DAS PISCINAS

Turistas testam a piscina que simula estar à beira do abismo




 

Turistas testam a piscina que simula estar à beira do abismo

Vamos conhecer uma piscina que fica... Na beira de um abismo!


E o mais legal é que os banhistas não estão nem aí!
Nadam e se divertem como se fosse tudo normal!

Você teria coragem de entrar nesta piscina? Repare: ela não tem mureta de proteção. No horizonte, os topos dos prédios de Cingapura.

Os valentes banhistas ficam ali debruçados. A impressão é de que, se eles derem umas braçadas mais fortes vão despencar lá de cima. E o tombo seria gigantesco.

Vamos ver de fora! A piscina fica lá em cima dos três prédios de um super-hotel, na altura do 56 andar.

Entre todas as piscinas instaladas numa cobertura, esta é a maior do mundo.

De uma ponta a outra, a piscina tem 150 metros. É mais comprida do que um campo de futebol. E nós estamos a 200 metros de altura. Daqui, a gente tem a nítida impressão de que a água vai escorrer sobre a cidade.

Então vamos dar uma de Mister M e revelar a mágica, o segredo por que a água não escorre prédio abaixo e as pessoas não caem.

É um efeito de ótica, chamado de "horizonte infinito", em que água parece se misturar com o céu.

A gente não enxerga a borda porque ela é mais baixa que a linha da água, que, claro, escorre para fora.

E aqui está o grande segredo, que só os que se arriscam a chegar na beirada conseguem ver: atrás da borda fica uma vala. A água cai na vala e é bombeada de volta para a piscina.

O autor do projeto é o arquiteto Moshe Safdie que - para torná-la realidade - contou com a ajuda do arquiteto José da Silva, que nasceu no Rio de Janeiro e foi criado em Portugal.

José teve que resolver o principal desafio: fazer uma piscina à prova de infiltrações ou rachaduras.

“O desafio para construção da piscina é realmente, tecnicamente o movimento dos edifícios. São três torres, cada uma com assentamentos diferentes ao longo do tempo e eles também se movimentam com o vento”, explica José da Silva.

A solução da equipe de José foi dividir a piscina em três segmentos, ligados por encaixes que se movem, assim ela pode se expandir e se contrair, conforme o movimento dos prédios, sem o risco de rachaduras ou vazamentos.

O hotel está sempre lotado e muitos hóspedes vêm aqui só por para ter a chance de nadar e tirar fotos como se estivem nadando ou tomando sol na beira de um abismo.

Fonte: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1623646-15605,00.html